O ser humano pode viver até aos 130 anos. Anita Liberalesso Neri professora e pesquisadora em gerontologia afirma que, hoje, temos condições teóricas para chegar aos 130 anos. O que fazer, então, para alcançar o nosso potencial?

Viver mais e melhor é o desejo da maioria das pessoas. Muitas, à semelhança dos orientais, já se preocupam com a saúde de uma forma preventiva e encontram na medicina tradicional chinesa (MTC), uma excelente aliada. Efetivamente, «esperar ficar doente para procurar o médico, é como esperar ter sede para começar a cavar o poço», Imperador Amarelo.

Equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual

A medicina tradicional chinesa entende o indivíduo como um todo e a saúde como um dinâmico e ténue equilíbrio entre os aspetos físicos, mentais, emocionais e espirituais da sua vida, bem como do seu relacionamento com o meio em que vive. Através de diferentes terapêuticas, regulariza o fluxo energético, equilibra mente e corpo, permitindo ao organismo a auto-preservação, essencial para retardar o envelhecimento, prevenir e tratar doenças. Esta visão holística do indivíduo (de diagnóstico e de tratamento) permite tratar a pessoa e não apenas o sintoma. O sintoma aparece sempre para nos pedir mudanças e não para nos pedir analgésicos! É preciso ouvir o que tem para nos dizer e identificar a causa do desequilíbrio. Posteriormente, o tratamento irá atuar nos sintomas, mas também na causa do mesmo. A palavra ‘holística’ vem do grego holos e significa algo que é um todo em si mesmo e, simultaneamente, uma parte de um sistema maior.

A medicina chinesa foi desenvolvida e aperfeiçoada ao longo de milhares de anos e baseia-se nos princípios (Taoistas) do equilíbrio yin-yang.

Reaprenda a respirar, a comer e a escutar-se

Hoje em dia, andamos a mil à hora e esquecemo-nos de viver. Precisamos direcionar a nossa atenção para a sabedoria milenar e reaprender a respirar, a comer e a escutar-nos. Quando prestarmos atenção aos sinais vindos do corpo e às suas necessidades, estaremos a respeitar a nossa natureza, o que só nos trará saúde e felicidade. De acordo com a medicina chinesa, deveríamos aplicar o princípio da moderação a todas as situações da vida: é tão prejudicial para o organismo praticar exercício em excesso, como ter uma vida demasiado sedentária.

Um aspeto importante da MTC é considerar a prevenção um fator preponderante para a saúde, o que leva inevitavelmente ao detalhe do estilo de vida, hábitos alimentares, exercício físico, bem-estar físico e mental. Quer na vertente preventiva, quer na vertente curativa, esta medicina, integra um conjunto de métodos de tratamento, dos quais destacamos:

  • Acupunctura com e sem agulhas: técnica terapêutica reconhecida pela Unesco, em 2010, como património cultural intangível da Humanidade, mobiliza e regulariza a energia vital (Qi) do paciente, através da inserção de agulhas muito finas ou da incidência de um feixe de luz (laser) sobre os meridianos.
  • Acupuntura Estética e anti-aging: bastante difundida na China e no Brasil, poderá utilizar agulhas de acupunctura, elétrodos ou laser, colocados em determinados pontos de acupunctura.
  • Tui na: tem um objetivo idêntico ao da acupunctura, mas a manipulação da energia é feita através da massagem.
  • Moxabustão: o efeito da moxa é semelhante ao da acupunctura, sendo que estimula através do calor, certos pontos e/ou regiões para fortalecer a circulação do Qi (energia) e do sangue.
  • Ventosaterapia: o efeito de sucção provocado pela ventosa, ativa a circulação, favorece a nutrição dos músculos e alivia tensões, dores musculares e articulares. A ventosa tem ainda a propriedade de limpar o sangue das toxinas acumuladas no organismo.
  • Alimentação (diatética chinesa): «Somos o que comemos». Um dos primeiros passos para sermos saudáveis consiste em mudar a nossa relação com o alimento – deixarmos de o consumir de forma mecanizada e inconsciente, para passarmos a conhecer as nossas reais necessidades e nos alimentarmos em concordância. Pequenas dicas e orientações da MTC podem auxiliar neste processo.
  • Fitoterapia: tal como a dietética chinesa preserva e nutre a essência. Combinada com a acupunctura, constitui um importante pilar do tratamento. A fitoterapia chinesa com mais de 600 plantas distintas, permite uma enorme variedade de combinações, tendo em conta a natureza da patologia e as características das plantas. Uma fórmula poderá conter de 4 a 20 plantas para uma maior eficácia terapêutica.
  • Exercício físico: exercícios integrados de respiração, circulação de energia e meditação, como: chi kung, tai chi chuan e algumas artes marciais. Estas práticas podem contribuir para o reequilíbrio do organismo.

Deixar velhos hábitos e fazer escolhas sábias serão vitais para a sua saúde, bem-estar e longevidade. A verdade é que desfrutar de todo o seu potencial, depende apenas de si! Saúde!